Especialidades

Fisioterapia

Fisioterapia é a ciência aplicada ao estudo, diagnóstico funcional, prevenção e tratamento de disfunções de órgãos e sistemas do corpo humano (Motor, respiratório e outros). Através de uma avalição funcional e individualizada o profissional traça um plano terapêutico com objetivo de restabelecer as funções primárias do organismo, sempre respeitando o objetivo individual de cada paciente, sendo ele adulto ou criança.

O desenvolvimento do ser humano tem início no embrião e não se encerra no término do crescimento, ele continua durante toda a vida, à medida que aprendemos e nos adaptamos.

Sendo assim o fisioterapeuta tem papel fundamental nesse processo porque atua, junto com a família, no processo de aprendizado das habilidades motoras da criança.

A influência do meio ambiente também tem grande importância. Não podemos esperar que a criança adquira certas habilidades apenas em função do seu desenvolvimento neural; a prática e as oportunidades que o meio em que vivem lhe oferecem, exercem influência decisiva sobre o desenvolvimento neuromuscular. Qualquer alteração ocorrida no Sistema Nervoso Central de um embrião ou de uma criança em fase de maturação pode acarretar desequilíbrios em suas habilidades motoras de forma irreversível, sendo assim se faz necessário a intervenção precoce desta criança afim de iniciar um plano de atuação multidisciplinar para ajudar esse indivíduo a adquirir habilidades motoras funcionais.

O desafio maior do fisioterapeuta que atua em pediatria é resgatar atividades funcionais nessas crianças que por algum motivo sofreram lesões na fase de maturação neural e, através de atividades lúdicas ajudá-las a realizar o desenvolvimento de suas capacidades da melhor maneira possível.

Musicoterapia

Segundo Dr. Rolando Benenzon (Médico Psiquiatra e Musicoterapeuta argentino), “A Musicoterapia é o campo da ciência que estuda o complexo som-ser humano-som, para utilizar o movimento, o som e a música, com o objetivo de abrir canais de comunicação no ser humano, produzir efeitos terapêuticos, psicoprofiláticos e de reabilitação no mesmo e na sociedade”.

Segundo Bruscia, no livro “Definindo a Musicoterapia”, considerando a natureza transdisciplinar da MT, ele oferece uma definição também adequada:

“Musicoterapia é um processo sistemático de intervenção em que o terapeuta ajuda o cliente a promover a saúde utilizando experiências musicais e as relações que se desenvolvem através delas como forças dinâmicas de mudança”.

O som possui a qualidade de ser não-verbal, mas oferece muitas oportunidades para a expressão verbal, corporal e emocional. Como membro de uma equipe terapêutica, o musicoterapeuta participa da avaliação das necessidades do cliente, da formulação da abordagem e do programa terapêutico, desenvolvendo então atividades sonoras específicas para alcançar os objetivos.

A proposta do desenvolvimento de atividades musicoterápicas, objetiva promover habilidades nas esferas da comunicação e interação, no funcionamento e desenvolvimento cognitivo, afetivo, sensorial e motor do indivíduo, bem como contribuir para o processo de humanização e inter-relação da equipe de saúde. Não existe restrição em relação ao enquadre de paciente nessa terapia. Todas as pessoas respondem aos estímulos musicais e vibratórios, o que facilita o vínculo e a evolução dos mesmos.

Fonoaudiologia

É a ciência que se ocupa da prevenção, da habilitação e reabilitação da voz, da audição, da motricidade oral, da leitura e da escrita. O fonoaudiólogo trata de deficiências de fala, audição, voz, escrita ou leitura. Pode atuar em parceria com outros profissionais, como fisioterapeutas e psicólogos. Com dentistas, trata de males que podem causar ou agravar problemas ortodônticos. Trabalha em clínicas, consultórios, escolas, hospitais e emissoras de televisão, auxiliando atores e apresentadores na postura da voz. Para exercer a profissão é exigido registro no Conselho Regional de Fonoaudiologia.

ATUAÇÕES:

  • Gagueira
  • Atraso de linguagem
  • Desvio fonético fonolóico (trocas, omissões e substituições de sons de fala)
  • Distúrbio de leitura e escrita dislexia
  • Afasias (dificuldade de compreensão e expressão da fala decorrente de dano neurológico)
  • Deficiência auditiva
  • Síndromes neurológicas
  • Paralisia cerebral
  • Problemas de sucção, mastigação, deglutição (engolir), respiração e fala Disfagia (dificuldade para engolir)
  • DTM (distúrbio da ATM)
  • Respirador oral (respirar pela boca)
  • Fissuras labiopalatinas
  • Paralisia facial
  • Queimaduras de face
  • Alterações vocais decorrente de nódulos, pólipos, cistos, sulcos, edema de reinke, granuloma, úlcera de contato, refluxo gastresofágico
  • Paralisia laríngea
  • Câncer de cabeça e pescoço
  • Profissionais da voz (professor, cantor, ator, locutor, entre outros)
  • Disartrofonia (dificuldade de expressão decorrente de dano neurológico)

Terapia Ocupacional

“A Terapia Ocupacional é um campo de conhecimento e de intervenção em saúde, educação e na esfera social, reunindo tecnologias orientadas para a emancipação e autonomia de pessoas que, por razões ligadas à problemática específica, físicas, sensoriais, mentais, psicológicas e/ou sociais apresentam temporariamente ou definitivamente dificuldade na inserção e participação na vida social” (USP, 2003)

O Terapeuta Ocupacional cuida das pessoas com problemas que interferem ou limitam a execução das suas atividades diárias (vestir suas próprias roupas, preparar o café da manhã, tomar banho, escovar os dentes, etc), considerando seus desejos, afetos e cultura na busca pela ampliação de seu desempenho ocupacional, sua autonomia, reconstrução de seu cotidiano e participação social.

A Terapia Ocupacional como ciência que possui pressupostos teóricos baseados em métodos de intervenção por meio de atividades tendo por objetivo promover a saúde, corrigir ou reduzir situações prejudiciais ao indivíduo, reforçando capacidades funcionais seja nos aspectos físicos, psíquicos ou sociais, proporciona habilidades essenciais, tornando o indivíduo na medida de possibilidades mais aptos, independentes e produtivos na sua vida, considerando a realidade dentro de sua esfera social.

A atuação do Terapeuta Ocupacional, vai além de desenvolver trabalhos nas áreas clínicas, hospitalares, psiquiátricas e sociais, atuando também na área escolar, possibilitando uma integração do indivíduo ao contexto educativo, utilizando para isso, recursos terapêuticos analisados e indicados para cada demanda.

Quando o individuo precisa de um Terapeuta Ocupacional?

  • Limitações físicas (dificuldade em engatinhar, sentar, andar, escrever, amarrar sapato, abotoar, desabotoar, falta de coordenação motora, de equilíbrio, etc)
  • Limitações cognitivas (dificuldade em aprender, incapaz de se concentrar e focar na escola, etc)
  • Limitações sensoriais (alterações visuais, auditivas, crianças sensíveis ao toque, etc)
  • Limitações sensoriais (alterações visuais, auditivas, crianças sensíveis ao toque, etc)
  • Entre outros.

Psicomotricidade

“Psicomotricidade é a ciência que tem como objeto de estudo o homem através do seu corpo em movimento e em relação ao seu mundo interno e externo. Está relacionada ao processo de maturação, onde o corpo é a origem das aquisições cognitivas, afetivas e orgânicas.” (Associação Brasileira de Psicomotricidade)

As produções humanas estão sempre carregadas de desdobramentos e conjunturas, habilidades, cognição, emoções, desejos e subjetividade, portanto, abrangem tanto o corpo orgânico quanto o psiquismo. E neste processo podem haver falhas e interrupções decorrentes das mais diversas causas: transtornos, distúrbios, síndromes, dentre outras.

Sendo assim, a Clínica Psicomotora ocupa-se do sujeito que fala através do seu corpo em movimento, suas posturas, seus gestos, seu tônus muscular e seu eixo corporal. Ocupa-se da criança que sofre e fracassa frente ao olhar do Outro, ao mover seu corpo e produzir seus gestos de modo instável, ao não dominar seu eixo corporal, desorientar-se no espaço e no tempo e ao não poder armar um ritmo tônico necessário e satisfatório para o desenvolvimento e o desdobramento motor, afetando assim, não só as habilidades da motricidade, mas também os aspectos cognitivos e afetivos. A psicomotricidade situa-se, portanto, numa ponte entre a estrutura psíquica e a estrutura neuromotora enlaçando e articulando o corpo ao desejo do sujeito.

Eixos da prática clínica:

  • Importância da estruturação subjetiva: a criança como sujeito de desejo
  • Brincar espontâneo como promotor da saúde mental e do fazer práxico
  • Relação transferencial terapeuta-paciente
  • Direção da cura
  • Transdisciplina

Psicologia

A Psicologia é a ciência que estuda o comportamento humano e seus processos mentais. É uma ciência que se dedica a estudar o indivíduo em sua essência: sua mente, seus instintos, desejos, emoções, comportamentos e conflitos nas relações com os outros e consigo mesmo.

A Psicologia, com suas técnicas científicas, pode realmente ajudar as pessoas a viverem melhor. É preciso deixar claro que quando se procura um profissional, ele não está lá para dar conselhos, julgar, dizer se você está certo ou errado, mas sim para pensar junto e ajudá-lo a chegar na verdade, em quem você realmente é.

Procure um Psicólogo quando se deparar perante problemas e dificuldades que não está conseguindo resolver ou ultrapassar.

Psicopedagogia

O psicopedagogo estuda os processos de aprendizagem de crianças, adolescentes e adultos. Ele identifica as dificuldades e os transtornos que interferem na assimilação do conteúdo, fazendo uso de conhecimentos da psicologia e da antropologia para analisar o comportamento do aluno. Promove intervenções em caso de fracasso ou de evasão escolar. Este bacharel também está apto a atuar com pacientes em hospitais, em ONGs ou em centros comunitários. Pode, ainda, manter consultório, orientando estudantes e seus familiares no processo de aprendizagem.

A Psicopedagogia busca na psicologia, psicanálise, psicolinguística, neurologia, psicomotricidade, fonoaudiologia, psiquiatria, entre outros, o conhecimento necessário para aprender como se dá o processo de aprendizagem nos indivíduos